125Visualizações |  Like

Setembro – Museu Municipal de Uberlândia – no HBLOG – confira

Durante todo o mês de setembro, o Museu Municipal de Uberlândia será o destino de uma série de eventos a fim de resgatar a memória de um dos mais antigos patrimônios da cidade.

Em comemoração aos seus 30 anos de exposições e ao centenário do Palácio dos Leões (edifício tombado que é sede do museu), o local entra na rota dos principais acervos históricos do país com várias atrações durante a 11ª Primavera dos Museus.

Nesta terça-feira, 11, a partir das 19h, o espaço abre as portas para a primeira dessas atividades, com a exposição ‘Tempo de Bordar Histórias’.

Araípedes Luz – Secom/PMU

Visitantes deixam suas impressões

A mostra é resultado da oficina de bordados dos pontos da vovó, com alinhavo, haste, cheio e matiz, que acontece no museu toda quarta-feira, das 14h às 17h, acompanhada de contação de histórias. Quem se deslocar ao Museu Municipal, também terá a oportunidade de multiplicar seu conhecimento e se envolver com os trabalhos à mão, como explica a administradora do Museu Municipal, Thaís Tormin.

  Araípedes Luz – Secom/PMU

“Este ano, estamos trabalhando as oficinas com temas ligados aos patrimônios históricos e de festas da nossa cultura popular. Como o bordado é muito importante para a nossa história, sendo passado de geração em geração, essa é uma forma de recuperar a memória do saber fazer e também de retratar como isso acontecia em Uberlândia. É ainda um relato de como as pessoas viviam, o que faziam em casa e seus costumes, já que bordar era uma questão muito feminina. O mais legal é que aqueles que visitarem a exposição também serão convidados a manifestar suas sensações na sala pedagógica. Trata-se de um registro, de uma manifestação artística e de uma contribuição ao processo criativo da comunidade”, adianta Tormin.acua acua1 acua2 acua3Museu Municipal de Uberlândia – Palácio dos Leões – Valter de Paula – Secom/PMU

Contação de histórias – A Moça Tecelã 

A contação de histórias também faz parte da programação das oficinas. Conduzida pela artista araguarina Regina Duarte, a atividade será aberta com a história da ‘Moça Tecelã’, da escritora e jornalista italiana Marina Colasanti. 

“A ideia de unir o museu e a exposição foi muito boa, pois você não valoriza apenas aquilo que o local tem guardado, mas também o que é produzido dentro dele. Assim, bordamos e contamos histórias. Muitas vezes, seleciono aquilo que tem a ver com o bordado. Temos muito disso na nossa literatura, com materiais ilustrados. Nessa primeira, faremos da Moça Tecelã, da Marina Colasanti, de ponto a ponto. São diferentes formas de contar histórias, trazendo de volta o ato de se reunir, produzir e criar. Pode ser que os tecidos e as linhas não sejam os mesmos, mas a intenção permanece. É muito gostoso pegar um pano branco, por exemplo, e dar vida para isso por meio dos bordados”, destacou Regina.